Quando o primeiro caso de Covid-19 foi registrado no Brasil, em 26 de fevereiro deste ano, pouca gente imaginava o que viria pela frente, com profundas mudanças nos hábitos cotidianos das pessoas. Em Wenceslau Braz, obviamente, não foi diferente, e nestes 06 meses de pandemia muita coisa mudou e os cidadãos precisaram se adaptar à nova realidade, repleta de restrições e cuidados para evitar a disseminação da doença. As medidas adotadas pelo município foram muitas – parte delas pioneira em relação ao Estado e ao País. Ainda assim, infelizmente vidas foram perdidas.

A prefeitura de Wenceslau Braz, antes mesmo de surgirem os casos, já adotou algumas medidas, como suspensão das aulas na rede municipal de ensino. Posteriormente houve a paralisação do transporte coletivo municipal, a popular “circular” e também restrições no funcionamento do comércio. O município chegou a implantar barreiras sanitárias, realizou desinfecções constantes com cloro concentrado em espaços de maior circulação de pessoas e distribuiu máscaras – o uso deste artigo foi prontamente incentivado pela prefeitura.

O primeiro caso de Covid-19 entre moradores de Wenceslau Braz foi confirmado em 06 de maio. Junho começou com 10 casos, sendo 04 ativos. Foi também em junho a primeira morte, registrada no dia 09. Julho teve início com 37 diagnósticos positivos e um pico nos casos ativos, que eram 22. Em agosto o município já contabilizava 90 confirmações da doença, sendo 17 ativos. Por fim setembro começou com 130 pacientes que haviam testado positivo para Covid-19 desde o começo da pandemia, sendo que na oportunidade 09 eram casos ativos.

Nestes meses o comércio passou por algumas mudanças consideráveis – e muitos comerciantes precisaram se reinventar. Escolas públicas e particulares não voltaram às aulas presenciais. Os projetos culturais e esportivos até então desenvolvidos pelo município também foram suspensos e ainda não retomaram as atividades. O uso de máscaras passou a ser obrigatório em ruas e espaços públicos quaisquer. A prefeitura restringiu o atendimento presencial aos cidadãos nas repartições públicas para proteger tanto moradores quanto os servidores municipais. Blitz educativas se tornaram comuns no centro da cidade. Todo a rede de saúde pública precisou ser mudada para a adequação à realidade da pandemia – inclusive com a contratação através de um PSS (Processo Seletivo Simplificado) de mais profissionais para compor equipes de enfrentamento à pandemia.

Enfim, mudanças não faltam a serem pontuadas, já que foram inúmeras. Os números mostraram oscilação. Em determinados períodos, picos de confirmações, enquanto em outras fases baixos índices de novos casos. O mais importante, porém, é que exista a consciência de que não pode haver, de forma alguma, relaxamento em todas as medidas impostas pelos governos federal, estadual e municipal. Essas medidas têm eficiência comprovada e sem dúvida estão garantindo a saúde e a vida de muita gente.